quarta-feira, 19 de setembro de 2012

O que foi a REVOLUÇÃO FARROUPILHA.

 - Demarcada como uma das mais extensas rebeliões deflagradas no Brasil, a Rev. Farropilha contou com uma série de fatores responsáveis por esse conflito que desafiou as Autoridades Imperiais. Naquele período em 1835, a insatisfação junto às política imperiais e a proximidade  das jovens repúblicas latino-americanas demarcaram o contexto inicial do conflito.
- Ao longo da história econômica da Região Sul, a pecuária tornou-se um dos principais focos da economia gaúcha. Ao longo do processo de diversificação das atividades econômicas do país, os estancieiros (fazendeiros) sulistas tornaram-se os principais produtores de charque do Brasil. Esse produto devido sua importância nos hábitos alimentares da população e seu longo período de conservação, articulava a economia agropecuária sulista com as regiões Sudeste e Centro-Oeste do País.
- Durante o Primeiro Reinado e Regência, vários impostos impediram a ampliação dos lucros dos fazendeiros sulistas, em consequência do encarecimento do preço final do charque gaúcho. Não bastando os entraves tributários, a concorrência comercial dos produtos da região platina colocou a economia pecuarista gaúcha em uma situação insustentável. Buscando acordo com o Governo Central, os estacieiros gaúchos exigiam a tomada de medidas governamentais que pelo menos garantissem o monopólio sulista sob o comércio do charque.
 - Em 1836, inconformados com o descaso das autoridades imperiais, um grupo liderado por por Bento Gonçalves exigiu a renúncia do presidente da Província do RS. Em resposta à invasão feita na cidade de POA, um grupo de defensores do poder Imperial, também conhecidos como Chimangos, conseguiu controlar a situação em junho daquele mesmo ano. Logo após a batalha do Seival, em Set. de 1836, os Revolucionários venceram as tropas Imperiais e proclamaram a fundação da República de Piratini ou República Rio-Grandense.
 - Com a expansão do Mov. Republicano surgiram novas lideranças revolucionárias na Região de Santa Catarina, sob a liderança deGuiseppe Garibaldi e David Canabarro, fou fundada a Rep. Juliana que deveria confederar-se à República Rio-Grandense. Dessa vez, melhor preparadas, as tropas Imperiais conseguiram fazer frente aos revoltosos que, devido à participação popular ficaram conhecidos como farrapos. Sob a liderança do Barão de Caxias, as foeças Imperiais tentaram instituir a repressão ao movimento.
 Mesmo não conseguindo aniquilar definitivamente a revolta, o Governo Imperial valeu-se da crise econômica instaurada na região para buscar uma trégua. Cedendo às exigências dos revolucionários, o Governo finalmente estabeleceu o aumento das taxas alfandegárias sobre o charque estrangeiro. A partir daí, Duque de Caxias iniciou os diálogos que deram fim ao movimento separatista.
 - Em 1844, depois da derrota farroupilha na batalha de Porongos, um grupo de líderes separatistas foi enviado à capital federal para dar início às negociações de paz. Após várias reuniões, estabeleceram os termos do Convênio do Poncho Verde, em março de 1845. Com a assinatura do acordo foi concedida anistia geral aos revoltosos, o saneamento das dívidas dos governos revolucionários e a libertação dos escravos que participaram da Revolução.
- A epopéia da Rev. Farroupilha, que durou quase dez anos, criou grandes heróis, mitos e símbolos; os ideais e sentimentos enexprimíveis dos revoltosos farroupilhas conitinuam presentes e expressos nos símbolos do Estado do RS, constituídos pelo título "República-Rio-Grandense", e o lema "liberdade, igualdade e humanidade". (dentro de uma nação brasileira).
- Portanto, gaúchos e gaúchas "sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra..."

Felisberto-Ten Cel
Cmt CRPO-Mis
(O nosso foco é a Polícia Cidadã!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário